terça-feira, 13 de março de 2018

Ser mulher (#ESM fevereiro)

Eu poderia mencionar uma porção de características comuns e normais que somente nós, mulheres, temos. Poderia falar da demora que algumas de nós têm para se arrumar, do desespero que algumas de nós sentimos ao ter uma unha quebrada e da felicidade com que muitas de nós nos deparamos, ao comprar "brusinhas" novas. Mas ainda que isso faça parte da realidade de muitas mulheres, há outras coisas que fazem parte da realidade de todas.


Ser mulher é não andar sossegada na rua, nunca! Você tem medo de ser perseguida e de ser estuprada. Aliás, eu imagino que o estupro deva ser o maior medo de cada uma de nós. Não queremos que o nosso corpo seja violado, afinal, o corpo é nosso e nós temos o controle do que queremos fazer, ou não, com ele. Assim como você, homem, tem direito sobre o seu corpo, compreende? Sobre o seu, não o meu.

Ser mulher é ouvir por aí, constantemente, frases como: "A comida não está boa, a minha mãe faz melhor", "Esse shorts está muito curto, você parece uma p***", "Mulher minha não conversa com outros homens", "Se comporta como uma mocinha", "Desse jeito vai ficar solteirona", "É tão feio uma menina falar palavrão", "Mulher é mais fraca", "Mulher tem que ganhar menos", "Ser mãe é o sonho de toda mulher", "Mulher é que tem que lavar a louça", "Olha lá como dirige mal, deve ser mulher..." e mais uma porção de disparates tão chatos feito esses.

Ser mulher é tentar se libertar, cada vez mais, de uma definição romântica e angelical. Não nascemos para ser anjos, não nascemos para ser fadas, não nascemos para ser flores. Somos seres humanos. Nascemos para a tentativa, o erro e o acerto. Nascemos para a liberdade.

Surja agora com o seu machismo e eu lhe digo: vá embora. Do contrário, concluímos: ser mulher é vencer, todos os dias, uma batalha. É desviar daquela bala que vem com um assovio (e você de pijama), com uma palavra desrespeitosa (que eles acham que é elogio) e com um toque desagradável (quando não se vai além). Não fizemos nada para ninguém, não estamos pagando por alguma coisa, não estamos merecendo nada: somos mulheres. E isso, por si só, já um motivo para ser atacada.

Mas sigamos fortes, que nem tudo um dia será como hoje é.

[Meu nome não é "psiu". 
Não aceite o machismo disfarçado de piada.
Liberdade é não ter medo.]

4 comentários:

  1. Oi Thami
    Que texto lindo, querida. Como se,pre, né? Quando eu paro pra pensar em todas as coisas que foram enraizadas na minha cabeça desde criança e percebo como fomos criados todos para sermos machistas.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lary!
      Obrigada minha linda. ♥
      Exatamente, mas podemos mudar isso agora.

      Excluir
  2. Concordo com vc ser mulher é travar uma batalha a cada amanhecer, seja em casa, no metrô, ônibus, no trabalho e ainda temos que ouvir quando nos irritamos que sáo nossos hormônios falando affff!
    As vezes dá mesmo vontade de deixar a peteca cair e estender a bandeira. Mas não podemos. Temos que ter a consciência que são nossos direitos andar sossegada nas ruas, ônibus e etc e conscientizar as mulheres que estão vindo, crianças, jovens... Não queremos ser igual aos homens só os mesmos direitos, direitos esse que está na constituinte ( apesar de que precisamos de uma nova URGENTE). Parabéns pelo texto. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí, Marcia. Não podemos. Vamos lutar!
      Obrigada pelo comentário.
      Beijos

      Excluir

Seu comentário é muito importante. Obrigada!

Obs.: Caso você não tenha uma conta no Google e não saiba como comentar, escreva o que deseja na caixa de texto acima e na opção "comentar como" selecione "Nome/URL", preenchendo somente o campo nome.

E-mail para contato: thamirisdondossola@hotmail.com